quarta-feira, 23 de julho, 2014

Setor de produtos de limpeza eleva preços e revê metas

A indústria de limpeza reajustou os preços de seus produtos de forma mais acentuada neste ano, com reflexos que chegaram ao varejo. No acumulado de doze meses até junho, a inflação desses artigos foi de 9,08%, enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 6,52%. No acumulado dos seis meses também houve discrepância.
Os produtos de maior expressão para o segmento - amaciante, detergente e sabão em pó - puxaram a alta. Os itens para roupa e para louça respondem por 45% do faturamento do setor. As principais fabricantes são Unilever, Procter & Gamble, Química Amparo, Reckitt Benckiser e Bombril.

Segundo Maria Eugenia Saldanha, presidente-executiva da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza (Abipla), os aumentos de preço são reflexo de pressões de custos e não correspondem a aumento de margem para a indústria. "Para um setor de essencialidade como o nosso, não há muito espaço para ganho de margem", afirma a executiva.
O câmbio afetou o custo de matérias-primas importadas ou dolarizadas muito utilizadas pelo setor, como resinas plásticas e ingredientes usados como tensoativos, diz Maria Eugenia. "A composição de custos varia de empresa para empresa, mas também há outros aspectos menos perceptíveis, como a inflação de serviços, alguns essenciais ao funcionamento de uma indústria", afirma a executiva. "Tem indústria que consegue absorver mais, mas o nosso setor é de baixo valor agregado e tem pouca elasticidade."
Segundo o diretor de uma grande varejista, os reajustes de preços foram uma estratégia para aumentar as margens das fabricantes, que estariam abrindo mão de volume para ganhar em preço. Um economista de uma consultoria diz que a evolução dos preços de produtos químicos na porta de fábrica medida pelo Índice de Preços ao Produtor (IPP) registrou recuo de 0,22% no acumulado do ano até maio.
Após uma década crescendo de dois a três pontos percentuais acima do Produto Interno Bruto (PIB), a indústria de produtos de limpeza está menos otimista este ano e revisou a expectativa para baixo. "O crescimento deve ficar em linha ou só um pouco acima do PIB", afirma Maria Eugenia. Ela destaca o impacto da inflação e diz que a Copa do Mundo também deve ter impactado negativamente o setor. "A intenção de compra diminuiu, e as pessoas estão buscando comprar mais barato, no atacarejo, por exemplo".
Em 2013, o faturamento do setor foi de R$ 15,5 bilhões, em alta de 4,4% em relação ao ano anterior, descontada a inflação. (Colaborou Adriana Mattos)
Valor Econômico - 23/07/2014
Produtos relacionados
Ver esta noticia em: english
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP