quinta-feira, 30 de novembro, 2017

Biosev mantém usina em Mato Grosso Sul sem operar após reunião com governo do Estado

SÃO PAULO (Reuters) - A Biosev, uma das maiores processadoras de cana do mundo, manteve a decisão de não operar no próximo ano a usina de Maracaju, em Mato Grosso do Sul, após uma reunião na terça-feira entre o presidente da companhia, Rui Chammas, e o governador do Estado, Reinaldo Azambuja. No encontro, realizado em São Paulo, foi discutida justamente uma eventual retomada das atividades industriais da usina, cujas operações, vistas como importantes para o município do Maracaju, foram suspensas no início do mês visando reduzir os custos da empresa. “A suspensão das operações industriais da unidade da Biosev em Maracaju está mantida para a safra 2018/19”, disse a companhia, que é braço sucroenergético da operadora de commodities Louis Dreyfus, em nota enviada à Reuters. “A Biosev reforça que a decisão contribui para otimizar a utilização de capacidade neste polo e visa capturar sinergia operacional com outras unidades da companhia no Estado, para reduzir seu custo de produção, trazendo ainda mais resiliência para a geração de caixa.” Na nota, a companhia reiterou que a cana proveniente da operação agrícola em Maracaju será direcionada para as unidades Passatempo e Rio Brilhante. “A empresa seguirá analisando as condições operacionais locais e a demanda de mercado para avaliar a viabilidade de retomada das atividades industriais da Unidade Maracaju em safras futuras”, concluiu a Biosev. A suspensão das atividades em Maracaju ocorreu em um momento em que outras empresas, como Raízen e Glencore, buscam expandir seus negócios, inclusive com a aquisição de usinas em dificuldades financeiras. O setor sucroenergético brasileiro está de olho na Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), cujo projeto de lei foi aprovado na noite de terça-feira na Câmara dos Deputados. A expectativa é de que o RenovaBio estimule o uso crescente de renováveis, gere investimentos de 1,4 trilhão de reais e economia de 300 bilhões de litros em gasolina e diesel importados até 2030. Além disso, o RenovaBio pode dar suporte aos preços do açúcar em 2018, uma vez que estimularia a fabricação de álcool em detrimento do adoçante, segundo o JPMorgan.
Reuters - 30/11/2017
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP