quarta-feira, 08 de novembro, 2017

Votorantim Metais agora é Nexa, uma empresa global de mineração

Da união da Votorantim Metais, empresa líder de mineração de zinco no Brasil, e a Milpo, líder no Peru, surge a Nexa Resources. A nova marca simboliza o momento de expansão e de integração das empresas, preservando consigo o legado de cada uma. O lançamento da marca ocorreu com a abertura de capital nas bolsas de Nova Iorque, nos Estados Unidos, e de Toronto, no Canadá. “A Nexa nasce como líder de zinco na América Latina e pronta para ser um dos grandes competidores no mercado global. Não perderemos, porém, o nosso DNA Votorantim, com os valores e crenças que nos trouxeram até aqui. Seguiremos sendo uma empresa Votorantim SA e valorizamos essa história”, afirma o CEO Tito Martins. A abertura de capital nas bolsas de Nova Iorque e Toronto contribui para a capitalização da Nexa, viabilizando novos investimentos. “Grande parte do valor captado será aportado nos nossos projetos de extração mineral, tanto no estágio greenfield quanto brownfield. Isso trará crescimento para a empresa, geração de empregos e desenvolvimento local”, comenta o CEO. A mudança de marca não tem qualquer efeito direto nas operações da companhia. No Brasil, a Nexa tem cinco unidades, todas localizadas em Minas Gerais. São duas de mineração, em Vazante e Paracatu, duas de metalurgia, em Três Marias e Juiz de Fora, e uma de produção de ácido sulfúrico, em Fortaleza de Minas. No Peru, a empresa possui uma metalurgia, em Cajamarquilla, e três minerações: El Porvenir e Atacocha, na região de Pasco, e Cerro Lindo, em Ica. “Não haverá alteração no relacionamento com as comunidades e públicos de relacionamento. A marca Nexa nasce com o compromisso de buscar um crescimento sustentável e manter íntegros todos os atributos das marcas Votorantim Metais e Milpo, como a responsabilidade socioambiental e o desenvolvimento das localidades em que estamos presentes, estimulando o fortalecimento de outras cadeias produtivas”, esclarece Martins. Por que Nexa? Nexa é a combinação em inglês de Next Future, Excellence, Extraction e Nexus. O nome remete a uma mineradora que pensa e cria o amanhã e contribui para uma sociedade mais desenvolvida, realizando a extração dos minérios de forma responsável e eficiente. A referência ao termo nexo ajuda a simbolizar o sentido e o valor do que a empresa faz. “Nosso posicionamento é ser uma mineradora global, que usa da sua inteligência e expertise para desenvolver uma mineração cada dia melhor”, explica Arlene Domingues, diretora de Recursos Humanos e Corporate Affairs. Sobre a Nexa Somos Nexa. Uma mineradora global que faz parte do Grupo Votorantim e do dia a dia da sociedade. Do cobre dos carros ao cobre dos celulares. Do zinco das plantações ao zinco dos aviões. Desde 1956 atuamos no mercado de metais não ferrosos. Hoje, crescemos e somos uma das principais mineradoras do mundo todo. Temos ações negociadas nas bolsas de Nova Iorque e Toronto sob o símbolo que é exatamente o nosso nome: (NEXA). Acreditamos que, quando extraímos o melhor do presente, criamos um futuro melhor para todos nós. Secco Consultoria de Comunicação – 07/11/2017 Vendas de caminhões crescem 48% em outubro As vendas de caminhões em outubro somaram 5.055 unidades, alta de 47,85% sobre o mesmo mês do ano passado, quando os emplacamentos alcançaram 3.419 caminhões. Na comparação com o desempenho de setembro, de 4.542 unidades vendidas, o crescimento foi de 11,3%. Os dados são da Fenabrave, federação que reúne as distribuidoras das fabricantes de veículos. A dois meses de encerrar o ano, o número de licenciamento no acumulado, no entanto, ainda acusa uma queda de 4%. Até outubro foram negociados 40.399 caminhões contra 42.068 unidades emplacadas nos dez primeiros meses de um ano antes. Conforme expectativas de representantes das montadoras, 2017 deverá registrar o mesmo patamar de 2016, em torno de 50 mil unidades. Vale lembrar que o ano começou com uma queda de 30% nas vendas de caminhões. “Há um claro descolamento da economia da crise política”, avalia Roberto Leoncioni, vice-presidente de vendas, marketing e pós-venda da Mercedes-Benz. “A decisão pela compra começou a voltar, não como poderia por que o transportador ainda sente a temperatura da água antes da compra. Mas a categoria de extrapesados começou a andar sozinho e, quando ele volta, o restante vem junto.” Ranking Em outubro, a MAN Latin America encostou na líder Mercedes-Benz em um empate técnico. Enquanto a primeira vendeu 1.408 unidades, somando as vendas da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus, a segunda, negociou 1.410 caminhões. Os desempenhos representaram participações de 27,85% e 27,89%, respectivamente. Com volumes bem menores, a Volvo, em terceiro lugar, com 671 unidades vendidas em outubro, e a Ford Caminhões, na quarta posição do ranking, com 661 caminhões licenciados, também apresentam disputa acirrada. A fabricante de Curitiba (PR) encerrou o mês com fatia de 13,27% do mercado e a de São Bernardo do Campo (SP), com 13,08%. Em quinto lugar, a Scania vendeu no mês passado 600 caminhões, o que permitiu participação de 11,87%. Depois dela, a Iveco, com 188 unidades negociadas, garantiu 3,72% do mercado. A DAF aparece em sétimo lugar com 2,22%, seguida pela Agrale (0,04%), Hyundai (0,04%) e Foton (0,02%), na lanterna do ranking.
Infomet – 07/11/2017
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP