sexta-feira, 02 de junho, 2017

Carnes: Com escoamento lento preço ao produtor recua forte

As tentativas de compra abaixo da referência seguem ocorrendo com frequência em todas as praças. Porém, apesar do ambiente ainda ser de incerteza em função de todos os acontecimentos recentes, a pressão de baixa se limita, quase sempre, à ofertas de no máximo R$ 2,00/@ abaixo da referência. São Paulo talvez seja uma das exceções. Há compradores ofertando até R$ 4,00/@ menos, mas não conseguem comprar. Fora disso, em negócios analisados pontualmente, pode haver elevação das ofertas de compra. De forma geral, se houver necessidade de pagamentos maiores, há espaço. As margens da indústria começaram a semana nos maiores patamares já registrados pela Scot Consultoria e, embora tenha recuado hoje, somente em 2013 houve resultado parecidos. Contudo, os preços ofertados só vão subir se houver necessidade, caso ocorra um crescimento nas vendas de carne. No mercado atacadista a demanda parece não ajudar. Os preços dos cortes sem osso caíram 2,1% ao longo da semana. Suínos: Exportações caem 23% em volume no mês de maio Por Larissa Albuquerque As exportações de carne de suína 'in natura' caíram em receita e volume no mês de maio, tanto em relação ao mês passado, quando ao igual período do ano passado. No período foram embarcados 41,7 mil toneladas, sendo a média diária de 1,9 mil/t. Esse resultado representa queda de 23,3% na comparação com o mês anterior e, 27,9% frente maio/16. Em receita, as vendas externas totalizaram US$ 112,3 milhões, ficando 24% abaixo do mês anterior e, 5,5% se comparado ao igual período do ano passado. Mercado Segundo levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), embora os preços do animal vivo venham caindo nos últimos dias, o valor médio de venda ainda é recorde nominal para o mês de maio. "Os valores do milho, por sua vez, estão em queda e em patamares bem abaixo dos verificados no mesmo período do ano passado, quando a média do cereal atingiu recorde em São Paulo". Frango vivo: Em Minas Gerais preço recua R$ 0,30 no acumulado da semana Por Larissa Albuquerque A cotação do frango recuo pelo quarto dia consecutivo em Minas Gerais. No acumulado da semana, a referência no estado perdeu R$ 0,30. Segundo dados da Avimig (Associação dos Avicultores de Minas Gerais), o preço médio nos negócios é de R$ 2,20/kg. Essa é a menor cotação registrada no estado, nos últimos dois anos. O mercado está fragilizado com exportações abaixo do esperado e uma demanda interna enfraquecida durante a segunda quinzena do mês. No atacado, os fracos volumes de venda, em decorrência do período do mês, resultaram em queda nas cotações. A carcaça passou de R$3,40/kg para os atuais R$3,27/kg, redução de 3,8% em uma semana. Exportações As exportações de carne de frango 'in natura' caíram em receita e volume no mês de maio, tanto em relação ao mês passado, quando ao igual período do ano passado. No período foram embarcados 391,1 mil toneladas, sendo a média diária de 14,5 mil/t. Esse resultado representa queda de 11% na comparação com o mês anterior e, 13,8% frente maio/16. Em receita, as vendas externas totalizaram US$ 527,6 milhões, ficando 11,3% abaixo do mês anterior e, 4,9% se comparado ao igual período do ano passado.
Notícias Agrícolas - 02/06/2017
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2017 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP