sexta-feira, 22 de setembro, 2017

Marcha lenta na indústria ainda se reflete no mercado de sucata de aço

São Paulo - O mercado de sucata de aço, que movimenta aproximadamente R$ 6,3 bilhões por ano no País, trabalha para se recuperar da forte queda da economia brasileira, a qual está intrinsecamente ligada. Para este ano, porém, a expectativa ainda é de um desempenho com viés negativo. De acordo com o Instituto Nacional das Empresas da Sucata de Ferro e Aço (Inesfa), o recorde do setor foi de um milhão de toneladas de sucata processadas mensalmente em meados de 2012, quando a atividade econômica no Brasil estava fortemente aquecida. No entanto, atualmente, este volume gira em torno de 400 mil toneladas mensais. "A geração de sucata depende muito da atividade econômica", diz o diretor de relações institucionais do Inesfa, Leonardo Palhares. Ele explica que a produção de bens de consumo como veículos, geladeiras, fogões, entre outros, gera as chamadas "aparas" de aço nas linhas de estamparia dos fabricantes, que acabam se tornando sucata. A substituição de produtos antigos também impulsiona o mercado de sucata de aço na medida em que geladeiras e carros obsoletos, por exemplo, são descartados. Contudo, diante da retração da atividade econômica, esse processo vem caindo ano a ano, relata Palhares. "Nosso setor tem sofrido muito porque os principais consumidores de aço na indústria têm tido dificuldades para crescer", diz. Segundo o dirigente, 90% do consumo de sucata de aço no País vêm das siderúrgicas e, o restante, do segmento de fundição. "Metade da produção de aço bruto no País vem da sucata de aço", pontua Palhares. Os fornos elétricos, também conhecidos como mini-mills, utilizam a sucata de aço como insumo em vez do combo tradicional de minério de ferro e carvão, que são usados nas usinas com altos-fornos. Conforme o Inesfa, principalmente as siderúrgicas de aços longos usam a sucata, já que as de aços planos precisam de ligas "mais limpas". "Mas como a construção civil caiu muito nos últimos anos e a retomada deve ser lenta, nosso setor será bastante impactado." A retração da atividade afeta, segundo o Inesfa, aproximadamente 5,6 mil empresas. "Se contabilizarmos todas as pessoas que trabalham no setor, podemos dizer que cerca de 1,5 milhão de trabalhadores compõem a cadeia da sucata de aço", relata Palhares. Ele acrescenta ainda que, atualmente, as empresas do setor estão fortemente pressionadas. "De um lado, temos a indústria, que está comprando menos, impactando a rentabilidade. Do outro, a informalidade na cadeia aumenta cada vez mais, prejudicando as empresas. A perspectiva para o nosso setor ainda é de incertezas", complementa. Agravante O diretor do Inesfa acredita que a possível fusão dos negócios de aços longos da ArcelorMittal e da Votorantim no Brasil pode piorar ainda mais a situação da cadeia de sucata. A conclusão depende de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), mas na semana passada a Superintendência-Geral do órgão recomendou a rejeição do acordo, alegando que a fusão das "duas das três principais fornecedoras de aços longos comuns do País eliminaria um competidor relevante em um segmento onde as três maiores empresas detêm mais de 80% da oferta do mercado." Para Palhares, o poder de barganha das empresas aumentaria de forma significativa, derrubando ainda mais o preço pago pela sucata. "O ganho de competitividade alegado com a fusão não pode ocorrer às custas de um setor que hoje emprega tantas pessoas", observa o dirigente. Ele acrescenta que o Cade aceitou como terceiro interessado apenas duas entidades, sendo o Inesfa uma delas. "Somos contra a fusão devido aos prejuízos que essa transação vai causar", reforça.
DCI – 21/09/2017
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP