quinta-feira, 01 de fevereiro, 2018

ArcelorMittal vê demanda global de aço crescendo até 2,5% 2018, com destaque para Brasil (7,5%)

A ArcelorMittal projeta que o consumo aparente de produtos siderúrgico vá subir de 6,5% a 7,5% no Brasil durante este ano, o crescimento mais rápido de todas as regiões em que atua. Essa estimativa está sustentada, diz o grupo europeu, na recuperação da economia e da confiança do consumidor, com a demanda por aços longos também melhorando em meio à retomada da construção. No ano passado, o avanço foi de 4,6%. Na China, que em 2017 bateu o recorde de produção de aço, o cenário é bem diferente: o gigante asiático tem as piores previsões. O consumo por lá provavelmente ficará próximo à estabilidade, com perspectiva de queda em 0,5% a alta em 0,5%. No resto do mundo, excluindo os chineses, a companhia espera avanço de 1,5% a 2,5%. As condições de demanda foram favoráveis em 2017, com crescimento estimado em 3,2% no mundo, diz a empresa, que é a maior siderúrgica do mundo, na apresentação a analistas e investidores após a publicação do balanço anual. Para 2018, praticamente todas as regiões têm expectativa de alta, reforçada pelo índice próprio de atividade do grupo, que chegou a seu maior patamar em seis anos durante dezembro. Perspectivas Depois de um 2017 positivo, a ArcelorMittal possui boas expectativas para as operações brasileiras em 2018, apostando que a recuperação da economia, principalmente o setor automotivo e de construção, impulsionará o consumo de aço. Nos resultados financeiros do quarto trimestre de 2017, a ArcelorMittal apresentou uma projeção indicando que o consumo aparente de produtos siderúrgico deve subir de 6,5% a 7,5% no Brasil neste ano, o crescimento mais rápido de todas as regiões em que atua. “Os prospectos para 2018 no Brasil são bastante encorajadores”, afirmou o diretor-financeiro da companhia, Aditya Mittal, em teleconferência com analistas. No ano passado, a siderúrgica registrou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de US$ 1 bilhão, um aumento de 13,5% em relação ao valor apurado em 2016. Na mesma base de comparação, os embarques subiram 0,8%, a 10,8 milhões de toneladas. A empresa atribuiu o bom resultado à retomada da economia, principalmente no segundo semestre, com destaque para o setor automotivo, e a um programa de redução de custos que está implementando.
Portos e Navios - 01/02/2018
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP