segunda-feira, 19 de fevereiro, 2018

Departamento de Comércio dos EUA propõe tarifa ao aço brasileiro

Um relatório do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, divulgado nesta sexta (16), propôs a imposição de tarifas às importações americanas de aço e alumínio, com o objetivo de ampliar a produção local. Entre os países que podem ser mais afetados está o Brasil, já que os Estados Unidos são o principal destino das exportações da indústria brasileira. No ano passado, a receita gerada com vendas ao país somaram US$ 2,63 bilhões (R$ 8,47 bilhões, na cotação atual). O relatório destaca que os Estados Unidos é o maior importador de aço do mundo e propõe três alternativas para solucionar a questão. A primeira é uma taxa global de ao menos 24% a todas as importações. A segunda seria uma tarifa de ao menos 53% ao aço importado de 12 países: Brasil, China, Costa Rica, Índia, Malásia, Coreia, Rússia, África do Sul, Tailândia, Turquia e Vietnã. Além disso, há uma possibilidade de criar uma cota a todos os produtos de aço de todos os países equivalente a 63% das importações dos Estados Unidos em 2017. A meta é que a atual capacidade ociosa no país caia dos atuais 27% para cerca de 20% --uma taxa mínima necessária para que a indústria seja viável em um longo prazo. O departamento colocou o problema como uma questão de segurança nacional. Em relação ao alumínio, a proposta é impor uma tarifa de 7,7% a todas as importações ou aplicar uma taxa de 23.6% aos produtos vindos da China, de Hong Kong, da Rússia, da Venezuela e do Vietnã. O relatório interno foi elaborado pelo departamento de comércio e ainda não representa uma decisão final, que ainda será dada pelo presidente Donald Trump. NEGOCIAÇÃO O Brasil vai mandar uma comitiva com membros da indústria siderúrgica nacional a Washington, para negociar com membros da Casa Branca e parlamentares a exclusão do país de possíveis medidas restritivas, afirmou o presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes. A missão será realizada entre os dias 26 e 28 de fevereiro, e deverá ter a presença do ministro do Mdic (Indústria e Comércio Exterior), Marcos Jorge de Lima, e de executivos de empresas como a Usiminas e da Vallourec, disse ele. "Queremos mostrar que o Brasil não é parte do problema. 80% das exportações brasileiras são de produtos semiacabados, que são reprocessadas pelas siderúrgicas americanas. Se [os EUA] adotarem alguma medida, o Brasil tem que estar fora", afirmou Lopes. Em 2017, as exportações brasileiras ao país somaram cerca de 5 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos (32,7% do total), dos quais 4,1 milhões de toneladas foram de itens semiacabados. O presidente da entidade, que representa a indústria brasileira, destacou que, assim como há grupos favoráveis a maiores restrições, existem pressões contrárias à medida, com receio de que o bloqueio leve a um aumento do preço interno do produto. A comitiva que viajará no fim deste mês aos Estados Unidos também deverá pedir auxílio à indústria americana de carvão nas negociações, afirma Lopes. O Brasil é um dos maiores importadores de carvão dos Estados Unidos. "Tem uma troca. Vamos falar [a eles] que têm que nos ajudar."
Infomet - 19/02/2018
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP