quinta-feira, 26 de abril, 2018

Dólar sobe com cena externa e chega a ir acima de R$3,50 pela 1ª vez em quase dois anos

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou alta novamente nesta quarta-feira e chegou a ir acima do patamar de 3,50 reais, maior nível em quase dois anos, influenciado pelo cenário externo em meio a leituras de que o aperto monetário nos Estados Unidos pode ser mais firme do que o inicialmente previsto e afetar o fluxo de capital global. O dólar avançou 0,48 por cento, a 3,4860 reais na venda, maior nível de fechamento desde 13 de junho de 2016 (3,4867 reais). Na máxima deste pregão, a moeda norte-americana foi a 3,5164 reais. Em cinco sessões seguidas de alta, o dólar acumulou ganho de 3,13 por cento e, no mês, a valorização já chegou a 5,63 por cento até agora. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,35 por cento no final da tarde. “É fato que o intervalo de oscilação do dólar já mudou, mas é cedo para dizer qual é. Parece que 3,50 reais viraram novo teto”, afirmou o gerente de câmbio da corretora Fair, Mário Battistel. Até pouco tempo, o teto que o mercado trabalhava era de 3,30 reais. A continuidade da valorização do dólar seguiu refletindo as preocupações sobre possível aperto monetário mais forte do que o inicialmente previsto nos Estados Unidos, em meio às fortes altas dos rendimentos dos Treasuries norte-americanos nos últimos dias. O papel de 10 anos seguia acima da barreira psicológica de 3 por cento, com a possibilidade de inflação maior nos EUA diante dos preços de commodities em alta e atividade econômica forte, além de preocupações com emissões mais pesadas de títulos do país. Mais inflação demandaria atuação mais firme do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, que poderia subir os juros mais rapidamente e acabar atraindo recursos aplicados hoje em outros mercados financeiros, como o brasileiro. “(Como) sinais de que pressões inflacionárias subjacentes continuam a aumentar, as autoridades (do Fed) podem... sugerir que vão acelerar o ritmo de aperto durante o resto do ano”, escreveu a empresa de pesquisas macroeconômicas Capital Economics, em relatório. Neste ambiente, o dólar atingiu mais cedo alta de quatro meses contra uma cesta de moedas e avançava sobre divisas de países emergentes, como o peso chileno. O cenário político e jurídico local também justificou a cautela dos investidores nesta sessão, sem que um candidato que tenha demonstrado comprometimento com o atual ajuste fiscal despontasse nas pesquisas para o pleito de outubro. Pesquisa Ibope feita no Estado de São Paulo para a TV Bandeirantes e divulgada na noite passada mostrou que o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), um dos preferidos do mercado, ainda não se firmou. “O levantamento é ruim para o tucano, que governou São Paulo por muitos anos”, afirmou o gestor de uma corretora local. No cenário jurídico, os investidores também reagiram com temor às eventuais implicações da decisão do Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de retirar dos processos que estão nas mãos do juiz federal Sérgio Moro trechos de delações feitas por executivos da Odebrecht que implicam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Há o temor de que abra alguma brecha que livre Lula”, afirmou Battistel, da Fair. O ex-presidente, que lidera as pesquisa de intenção de voto, é considerado pelo mercado menos comprometido com o ajuste das contas públicas. Lula está preso após condenação por corrupção e lavagem de dinheiro. O avanço do dólar tem levado muitos agentes do mercado a especular sobre eventual atuação mais forte do Banco Central no mercado cambial. Nesta sessão, no entanto, o BC manteve seu ritmo e vendeu todo o lote de até 3,4 mil swaps cambiais —equivalentes à venda futura de dólares—, rolando 2,210 bilhões de dólares do total de 2,565 bilhões de dólares que vence em maio. Se mantiver esse volume diário e vendê-lo integralmente, o BC rolará o valor total dos swaps que vencem no próximo mês. Em 3 de maio também vencem 2 bilhões de dólares em leilão de linha, venda de dólares com compromisso de recompra, segundo dados do BC.
Reuters - 25/04/2018
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP