terça-feira, 10 de julho, 2018

Costa do Marfim estuda primeira usina de cacau

Abidjan quer construir a primeira usina de biomassa do mundo, movida a resíduos de produção de cacau, disseram autoridades do país e da Costa do Marfim na última segunda-feira. Se o esquema de 235 milhões de euros (273 milhões de dólares) for liberado, a Costa do Marfim, o maior produtor de cacau do mundo, poderia continuar construindo mais nove estações de energia queimando resíduos de coca. A primeira usina pode estar em funcionamento em 2023, disse Yapi Ogou, chefe da Société des énergies nouvelles (Companhia Soden ou Novas Energias), responsável pelo projeto. A Agência de Comércio e Desenvolvimento dos EUA (USTDA) financiou US $ 1 milhão de estudos de viabilidade, que devem ser concluídos até abril próximo. Os resíduos da produção de cacau da Costa do Marfim chegam a 26 milhões de toneladas, principalmente vagens de onde os grãos foram extraídos, disse Ogou. A usina seria construída no centro da nação do oeste da África em Divo e geraria de 60 a 70 megawatts, acrescentou. A Costa do Marfim atualmente gera 2.200 MW, mas o forte crescimento econômico colocou uma pressão sobre os suprimentos. A nova usina de resíduos de cacau também economizaria o equivalente a 250.000 toneladas de emissões de carbono, disse Ogou. Uma delegação comercial dos EUA, liderada pelo subsecretário de Comércio, Gilbert Kaplan, está visitando a Costa do Marfim e a USTDA reabriu um escritório em Abidjan depois de uma lacuna de 16 anos. O ministro do Comércio de Abidjã, Souleymane Diarrassouba, disse que o comércio entre os dois países aumentou 55% entre 2012 e 2017, chegando a 1,8 bilhão de dólares. Estabelecendo uma meta de três bilhões de dólares até 2025, ele pediu que as empresas americanas “invistam maciçamente na Costa do Marfim”.
Mercado do Cacau - 06/07/2018
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP