terça-feira, 18 de setembro, 2018

Ao fechar loja da Paulista, Cultura está prestes a eliminar a marca Fnac no País

A Livraria Cultura está a um passo de terminar o processo de encerramento da marca Fnac após quase 20 anos de Brasil. Com o fechamento da megaloja da Avenida Paulista, no fim de semana, a brasileira está prestes a cumprir a missão que recebeu dos franceses há 14 meses: acabar com a operação da Fnac em troca de um pagamento de R$ 130 milhões. Segundo fonte próxima à empresa, a estratégia da Cultura é aproveitar a plataforma de venda online de eletrônicos da Fnac, sem manter a marca. Em breve, inclusive este braço do e-commerce deve ser incorporado pela Cultura. Com o fechamento da loja da Paulista – um dos ícones da Fnac no País –, a única unidade da marca ainda em operação é a de Goiânia. A Cultura usou os R$ 130 milhões que recebeu da Fnac para custear fechamentos de lojas – não só da Fnac, mas também da própria Cultura –, para reforçar o fluxo de caixa e para a aquisição do site Estante Virtual, de livros usados. Segundo fontes do setor de livros, a empresa vem atrasando pagamentos às editoras. Uma fonte de mercado definiu a estratégia como um “refinanciamento por meio dos fornecedores”. Até o ano passado, diz outra fonte, a rede da família Herz tentava fazer alguns acertos pontuais com editoras. Hoje, nem isso. A origem da Fnac no Brasil tem exatamente duas décadas: em 1998, foi aberto no bairro de Pinheiros, em São Paulo, o Ática Shopping Cultural, um projeto de R$ 25 milhões que não deu o resultado esperado. A Fnac assumiu a empreitada e trouxe a operação de eletrônicos ao País. Os livros, inicialmente o carro-chefe da unidade, foram aos poucos perdendo espaço. Recentemente, muitas editoras chegaram a deixar de negociar títulos com a rede francesa, o que deixou a empresa bem atrás das líderes no setor: Saraiva (30%) e Cultura (8%), que também enfrentam dificuldades. A Fnac também jamais conseguiu cumprir os planos que tinha para o País, lembra Gerson Ramos, ex-funcionário da Ática e da Fnac, hoje diretor comercial da editora Planeta. “Seu modelo dependia de grande volume para se sustentar. Ela queria 20 lojas em 5 anos, mas só conseguiu abrir 11 em 15 anos.” “Nunca vi coisa tão complexa quanto a situação que vivem as grandes redes. Estamos falando de 40% do mercado”, afirma Luiz Antonio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro, referindo-se ao efeito da crise do setor, encabeçada por Fnac, Cultura e Saraiva. O livreiro Alexandre Martins Fontes diz “estar preocupado” com o futuro das livrarias físicas. “A Fnac é mais uma vítima. Essa crise sem precedentes tem várias origens. É macroeconômica, política, mas também de responsabilidade do mercado, que tomou decisões erradas, como priorizar outros produtos em detrimento do livro.” Procurada, a Cultura disse que não comentaria ou divulgaria resultados de suas operações. Em nota, afirmou que “segue seu planejamento estratégico para os próximos anos: manter unidades com boa performance (...) e reforçar a presença em e-commerce”.
O Estado de S. Paulo - 18/09/2018
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2018 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP