terça-feira, 19 de março, 2019

Aumento de preço do feijão carioca reflete mercantilização da fome, diz agrônoma

O feijão faz parte do hábito diário de consumo da maioria dos brasileiros, por isso o aumento do preço do grão não passa despercebido pela população. E é exatamente o que tem acontecido desde o início de 2019, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial no país. Os números apontam um aumento de 81% do preço do feijão carioca desde o início do ano. Só em fevereiro o aumento foi de mais de 50%. De acordo com a agrônoma Ana Terra Reis, a principal razão para o aumento desse tipo de feijão – que é produzido só no Brasil e possui uma coloração marrom claro – é o fato de o alimento não fazer parte da lógica mercadológica. "O feijão tem uma particularidade que ele não é uma commodity internacional. Diferente de outros produtos como a soja e o milho, ele é um produto que é comercializado fora dessa lógica global do agronegócio de bolsa de valores e etc". A soja é um dos principais grãos que está substituindo o feijão carioca nas produções no campo. No entanto, a especialista, que também faz parte do setor de produção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), explica que nos últimos anos houve enfraquecimento de políticas voltadas para a soberania alimentar. Segundo Reis, até meados de 2016, o governo federal garantia estoques de feijão carioca que eram colocados no mercado nos momentos de inflação e, assim, controlava o preço do alimento. Hoje, no entanto, a produção da soja brasileira, que é exportada em grande escala, vem disputando espaço nas plantações dos agricultores. Com menos produção de feijão carioca, o valor nas prateleiras aumenta. Diante desse cenário, a saída encontrada pelos consumidores é a substituição pelo feijão preto. No entanto, Ana vê a mudança como negativa. "Quando a gente fala de soberania alimentar, principalmente no âmbito dos movimentos sociais da Via Campesina [em Osasco, São Paulo], a gente está discutindo isso a partir de uma visão de que o povo tem que ter o direito de escolha daquilo que vai ser produzido e a forma como aquilo vai ser produzido Quando a gente tem um processo de avanço do agronegócio, a gente tem justamente uma ferramenta do processo da fome. Porque os países deixam de produzir aquilo que é de necessidade e viabilidade para sua nutrição e cultura e passa a produzir aquilo que é de interesse do capital", afirma.
Brasil de Fato - 19/03/2219
Ver esta noticia em: english espanhol
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2019 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP